O monstro e a pessoa ideal

14 Jan

inesperado.org - a pessoa idealPor mais fantástica que seja a tua roupa, ela está mais bem vestida.
Por muito competente que sejas, ela faz um trabalho melhor.
Por muito divertidas que sejam as tuas histórias, ela faz sempre rir mais.
Por muito bem que cozinhes, ela cozinha pratos ainda melhores.
Por muito bem que penses, fales ou vivas… ela é sempre melhor.

Mas afinal quem é esta pessoa?
É simplesmente a construção que fizemos na nossa cabeça da pessoa ideal. É a imagem que inventámos algures pelo caminho, da pessoa que queremos para partilhar a nossa vida. Tipicamente é uma pessoa desenhada para uma relação próxima, mas há quem se especialize em fabricar dezenas de pessoas ideais, para aplicar a amigos, colegas e até estranhos. Depois de estar fabricada, esperamos genuinamente que as pessoas de carne e osso correspondam a ela.

Esta pessoa ideal – mesmo estando apenas na nossa cabeça – tem uma influência grande na nossa vida: há relações que não começam porque alguém não cumpre todos os requisitos da pessoa ideal. Há namoros que acabam porque um dos namorados não consegue ser como a pessoa ideal. Há casamentos que passam por dificuldades porque a pessoa ideal intromete-se demasiada vezes na vida do casal…

Mas porque criamos esta pessoa na nossa cabeça?
Por um lado é porque querermos o melhor para nós. Queremos miminhos, queremos ser gostados e tratados bem, e queremos que quem o faça seja uma pessoa fantástica. Por outro lado, queremos que a outra pessoa apague todas as nossas fraquezas. Projectamos no outro a responsabilidade de nos livrar de tudo o que nos incomoda. Queremos alguém que nos venha salvar das nossas falhas.

Contudo…o que esconde esta pessoa ideal?
O segredo que torna esta pessoa invencível em todas as áreas é o facto de ser um monstro. É um frankenstein, uma colecção de várias pessoas diferentes, uma montagem sinistra de mil personalidades diferentes. A pessoa ideal tem que ser linda, inteligente, atenta, interessante, divertida, profunda, generosa e por aí fora, numa combinação impossível de virtudes. Acabámos por criar na nossa cabeça um monstro que tratamos como um ídolo.

O que podemos então fazer com essa pessoa?
Não vale a pena lutar com ela, porque a pessoa ideal é invencível. Mas na realidade, o problema não é haver uma pessoa ideal na nossa mioleira. O problema é levá-la demasiado a sério. Levar a sério as regras que criámos, levar a sério os critérios que inventámos, levar a sério a pessoa que fantasiámos. Esta pessoa – este monstro – é implacável com quem quer que seja. Põe a expectativa tão alta, que rebenta com qualquer possibilidade de alguém nos agradar ou surpreender.

Temos que saber brincar com ela. Saber que ela anda para ali, mas não levá-la demasiado a sério. É apenas uma ideia, teve o seu interesse em tempos, mas agora já não serve para a vida que vivemos. Somos livres de deixar o monstro de lado.

A ironia é que a pessoa ideal é incapaz de nos dar o amor que tanto desejamos. Os monstros não amam.
Todo o amor que queremos, lutamos e procuramos, vem apenas das pessoas realíssimas – de carne e osso – que rodeiam a nossa vida. A fantasia não nos dá nada do que precisamos, apenas o real nos pode encher as medidas. Tudo o que nos liberta, nos cura e nos realiza, vem do que é real.

Pela frente ficamos apenas com uma escolha: a pessoa real que temos à frente, ou a ideal que temos na cabeça.
Como vai ser?

24 Respostas to “O monstro e a pessoa ideal”

  1. Rosa Alice 5 de Fevereiro de 2014 às 12:13 #

    Irónico ou não, dou de caras com este post um dia depois de ter escrito este: http://eurooasunhas.blogspot.pt/2014/02/tu.html
    Já o alterei devidamente. Realmente, este “Tu” que eu procuro é, idealmente, um monstro.
    Obrigada pelos textos!

  2. Inesperado.org 21 de Janeiro de 2014 às 19:27 #

    Continua a aparecer Nuno!

  3. Abel 21 de Janeiro de 2014 às 17:30 #

    “Ele/a” excreveu que “O grande problema é encontrar alguém bonito por dentro…” O meun PRO+blema é tornar-me cada vez mais BONITO POR DENTRO. Venho descobrindo que, a partir daí, tudo começa a dar certo.

    • Shrek 21 de Janeiro de 2014 às 19:35 #

      Infelizmente isso não é verdade. Pelo menos comigo. Sempre fui o mais correcto possível, o mais dedicado, atencioso e nada bateu certo… Infelizmente a vida não é assim….

  4. Joana Silva 18 de Janeiro de 2014 às 13:43 #

    Acredito que o que idealizamos pode existir! Simplesmente temos de aceitar o facto de idealizamos uma pessoa bonita por dentro não significa que seja um todo o terreno por fora, e a maioria das pessoas não sabe dar esse salto!

    • Shrek 18 de Janeiro de 2014 às 13:50 #

      O grande problema é encontrar alguém bonito por dentro…

  5. Bárbara 16 de Janeiro de 2014 às 11:54 #

    Amei o texto!! Mais uma reflexão do dia :))
    Já tinha pensado nisso mas não conseguiria traduzir isso em palavras e portanto agradeço por ver isso expresso em palavras

  6. Rosário Cortês 15 de Janeiro de 2014 às 1:31 #

    Está fantástico! Dá muito que pensar! Obrigada por estes textos maravilhosos!

  7. Cris 14 de Janeiro de 2014 às 23:27 #

    Não será essa pessoa ideal apenas uma extensão de nós próprios; não quereremos nós, num reflexo narcisista e irracional, apaixonarmo-nos por alguém que nos complete e, ao mesmo tempo, que se nos assemelhe; ou seja, não será a paixão por que tão intensamente ansiamos, um espelho e por essa mesma razão, tão difícil de encontrar?
    A paixão é repentina e avassaladora; passa rápido e esmorece facilmente; quando, por vezes, olhamos bem para dentro do outro e descobrimos que esse alguém por quem dizemos estar apaixonados não existe e a nossa verdade, deixa de ser a verdade da relação porque estava apoiada em premissas fantasiosas (num alguém que, desde o primeiro momento não estava lá). Não nos apaixonamos verdadeiramente pela pessoa, mas sim pela ideia de companheiro(a)-para-a-vida que formulamos tão precocemente na nossa mente que nos acabamos por perder na esperança de um sonho realizado.
    (Só aconteceu comigo?)

    A vida ensinou-me que:

    o amor se constrói e é uma obra fascinante. é o descobrir do outro; dos defeitos que não só não nos completam como desafiam o nosso bom senso; é, com o tempo, gostar desses defeitos, mesmo assim. o amor é bom e é real. não procurem a pessoa ideal, experimentem conhecer. há bem mais, e melhor, nos confins desta nossa sociedade do que alguma vez poderemos imaginar e/ou fantasiar.

    A minha opinião, de incurável-sonhadora, confesso.

    • Tania Fernandes 15 de Janeiro de 2014 às 12:14 #

      Muito boa a tua resposta! concordo totalmente!

    • Rúben 15 de Janeiro de 2014 às 16:52 #

      Na minha opinião esta resposta é apenas o “PS:” do texto acima.
      Excelente.

    • Inesperado.org 21 de Janeiro de 2014 às 19:31 #

      Que venham mais sonhadores então!

  8. Débora Rodrigues 14 de Janeiro de 2014 às 22:34 #

    Certeiro, mais uma vez…

  9. Sónia 14 de Janeiro de 2014 às 21:54 #

    Mais uma vez o texto está espetacular, dá mesmo que pensar e meter os pés no chão, obrigado pelo clik ;)

  10. Jeremia Banzé 14 de Janeiro de 2014 às 20:12 #

    Mas quando é que este comentadores vão perceber que neste blog só há UM escritor e não múltiplos? Pleaseeee.

  11. Nuno 14 de Janeiro de 2014 às 20:07 #

    Palavras geniais que nos levam a refletir sobre o que nos rodeia, as nossas ambições, as nossas emoções e os nossos estados de espirito! Ganharam mais um seguidor! Parabens !

  12. Shrek 14 de Janeiro de 2014 às 18:00 #

    E quando passamos pela experiência de que ela, era a pessoa ideal e de um momento para o outro deixa de o ser? Como poderemos aceitar o facto de o “ideal” deixar de existir, mesmo já tendo a experiência que existiu?

  13. Rita RA 14 de Janeiro de 2014 às 16:01 #

    Muito bom, tramado han? Obrigada amigo inesperado ;)

  14. Ana Guadalupe 14 de Janeiro de 2014 às 13:53 #

    Os meus muitos sinceros parabéns, inesperado. Têm uma maneira fabulosa de articular palavras, ideias, valores e ideais. Além de que cativarem alguém com a vossa maneira de se expressarem e as analogias arrebatadoras das quais se lembram é completamente..inesperado ?

  15. Anónimo 14 de Janeiro de 2014 às 10:44 #

    Genial!

  16. Mafalda Sàágua 14 de Janeiro de 2014 às 10:39 #

    Nao deixes de ler, nem q seja no WC :)) Bjs

    Enviado do meu iPhone

    No dia 14/01/2014, às 02:21, Inesperado escreveu:

    > >

  17. Isabel Ribeiro 14 de Janeiro de 2014 às 8:24 #

    Barbosa.ser

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s