Não percebes nada

14 Maio

Temos imensos conhecimentos. Sabemos nomes de pessoas, curiosidades, histórias e sítios.
Sabemos medir as coisas. Temos métricas, critérios e opiniões. Sabemos compreender as coisas. Fazemos análises, explicações e lógicas. Aprendemos a fazer muitas coisas diferentes, desde escrever um email a temperar uma salada.

Mas apesar de sabermos tanta coisa, por vezes não percebemos puto do que acontece connosco. Não percebemos uma dor de coração, não percebemos o que realmente nos faz felizes nem para onde estamos a ir.
Muitas coisas permanecem misteriosas apesar de ficarmos horas a olhar para elas.

inesperado.org, inesperado, mudança. decisões, paciência, confiança, esperança, Simone Weil

E isto chega a ser violento porque é difícil aceitarmos que não percebemos nada. Temos a ambição de saber tudo, sobre tudo. Temos uma secreta vaidade de ter uma opinião sobre tudo. Uma certa arrogância ao ter certezas sobre as coisas. Gostamos de compreender porque é que os outros fazem aquelas coisas. E nós estas.

No meio deste terreno de dúvida e ausência de respostas, algumas ideias amigas podem trazer consolo:

Ir mais fundo.
É bom procurar muito. Ter muitas perguntas. Querer saber mais da nossa realidade e da dos outros.
Esta ausência de respostas, obriga-nos a ir ao fundo. Redescobrir quem somos, o que queremos, e em que direcção estamos a andar. Ter perguntas e não ter respostas obriga-nos a viver de forma mais empenhada e fundamentar bem os nossos gestos.

Estar mais atento.
A Simone Weil dizia que a atenção é a forma mais pura de generosidade. Não compreender algumas coisas ajuda-nos a estar atentos. A estar à espera, em silêncio com olhos muito abertos. Como um pescador que está atento ao mar. A olhar para a superfície, sabendo que há em movimento no interior que não vê nem compreende.

Suspender o julgamento.
Somos uns chefes tramados connosco próprios. Pomos prazos impossíveis para resolver certos assuntos. Pomos prazos de validade na nossa vocação, nas relações, nos trabalhos. (E todos os prazos estão a caducar.)
O resultado tem que estar em cima da secretária naquele dia.O problema tem que estar resolvido.
Devíamos antes aprender a suspender o julgamento sobre o significado de certas coisas. Devíamos ser menos precipitados na interpretação do significado das coisas.

No meio deste terreno em que tanta coisa fica por compreender, precisamos sobretudo de aprender a ser muito mais pacientes connosco próprios. Precisamos de confiar muito. Confiar que há o bigger picture da bigger picture e que o sentido das coisas leva tempo a ser compreendido.
Só compreenderemos com nova verdade a nossa vida se tivermos uma paciência que supera a impaciência. Se vivermos com uma esperança para além do que se podia esperar.

3 Respostas to “Não percebes nada”

  1. Rosário 14 de Maio de 2013 às 22:39 #

    Pois não percebo….e “impaciento-me” com isso….a carapuça serviu-me na perfeição!gosto deste sítio da net!gosto!

  2. marianacasola 14 de Maio de 2013 às 18:58 #

    Lá está, a falta da tal comunicação connosco mesmos…

  3. Margarida Vazquez 14 de Maio de 2013 às 11:50 #

    gostei especialmente deste post! boa!

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s