Less is More

Fazem falta coisas simples, directas ao ponto e funcionais.
Fazem falta produtos de fácil utilização e sites intuitivos, que não nos considerem aliens. Fazem falta electrodomésticos que não exijam ler um manual do tamanho de um romance de Dostoiévski, e serviços que não tenham políticas de privacidade com 50 páginas.

E não é só isto dos produtos e serviços. Também fazem falta pessoas simples. Sem grandes dramas ou complexidades. Que desmultiplicam a realidade densa em pensamentos claros. Fazem falta pessoas sem peneiras e directas ao ponto.
Bottomline: faz falta alguma simplicidade na nossa vida. De dentro e de fora.
Vamos ver algumas coisas que nos podem ajudar a fazer coisas mais simples, ou a ser pessoas mais simples:

1. Complicado é fácil. 
Na realidade é mais fácil complicar. Simplesmente porque é mais natural. É mais natural ir acrescentado ideias a um projecto, argumentos a uma discussão, parágrafos a um texto. É fácil dizer sempre mais coisas, acrescentar informação, para ter a certeza que está lá tudo.
É tão natural enchermos as nossas conversas de palavras que não servem para nada. Isso é fácil. É tão natural enchermos a nossa vida de argumentos e justificações. Isso é fácil.

2.Simples é difícil.
Para se conseguir produzir alguma coisa simples – desde o texto de um email até um trabalho académico – dá muito trabalho. É muito mais difícil. Se queremos uma descrição de quem somos numa frase, temos que partir muita pedra para lá chegar.
Se queremos falar de forma clara e breve demoramos muito tempo. Há quem diga que demora 30 minutos a preparar um discurso de 5 minutos, e 5 minutos a preparar um discurso de 30.
A simplicidade não tem a ver com um minimalismo funcional ou estético. Isso é superficial. Simplicidade profunda exige conhecer a fundo o papel de cada elemento – cada pensamento, cada peça, cada frase. E isso é difícil.

Inesperado.org_less is more

3. Tornar simples é ser capaz de cortar.
Para se conseguir produzir alguma coisa simples, tem que se ter uma disciplina sem tréguas.Tem que se estar sempre disposto a cortar com o que não é essencial.
Ah mas este capítulo da tese deu imenso trabalho a preparar.
Ah mas eu quero explicar bem como me sinto.
Ah mas esta informação pode ser importante estar no email.

Ok. Mas o que é absolutamente essencial nisto? O que é que não posso prescindir por nada?
É necessário ter uma visão muito clara do que é essencial – o que quero dizer na tese de mestrado, o que quero transmitir com este projecto, o que quero falar a esta pessoa – para depois ser capaz de tirar tudo o que está a mais. Mas mesmo tudo. Só com essa consciência afinada do que é essencial, é que percebemos o que podemos deixar de lado e o que não podemos prescindir. (aqui entre nós, raramente nos livramos de tudo o que não precisamos…)
Para simplificar uma frase, um projecto, uma relação, não se pode ignorar a complexidade. Tem que se conquistar tão fundo essa complexidade e ser capaz de  transformá-la em simplicidade.

Como disse o Saint-Exupery “A perfeição é atingida não quando não há mais nada a acrescentar, mas quando não há mais nada a tirar.

4.O simples é sexy.
Um iPhone é mais sexy que um Nokia. A simplicidade acaba por ultrapassar apenas o conceito funcional. Entra no território da beleza.
Uma coisa que era complexa e que agora se apresenta com profunda simplicidade tem uma beleza muito forte. Um artigo bem escrito, um objecto puro, uma frase certeira, um pensamento claro.

Faz-nos falta simplicidade nas nossas vidas. Libertar-nos de tudo o que está a mais, das palavras extra, das frases complicadas, das funcionalidades que não ajudam. Devemos ser capazes de com menos, ser mais e fazer mais. Transformar menos em mais. Como dizia o arquitecto Mies Van der Rohe: Less is More.

3 pensamentos

  1. … ou como dizia Sophia de Mello Breyner: “recordo-me de descobrir que num poema era preciso que cada palavra fosse necessária – as palavras não podem ser decorativas, não podiam servir só para ganhar tempo até ao fim do decassílabo, as palavras tinham que estar ali porque eram absolutamente indispensáveis”…

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s