Prestai atenção seus medíocres!

12 Maio

A todos vós, seus medíocres. A todos vós, que sois medianos. A todos vós, que nada sois de especial!
Prestai atenção!

Bem sabeis quão poucas capacidades tendes. Bem sabeis quão pouco fascinante é a vossa vida. Bem sabeis quão pouco impressionantes são os vossos feitos. Ou pior ainda, nada disto sabeis!
Tudo o que dizem de vós, todos os impropérios, todas as ofensas, todas as críticas pela vossa tremenda vulgaridade, pesa comunicar-vos, são absolutamente legítimos! Escutastes bem: a vossa miséria é absolutamente real e terrivelmente verdadeira.
A vossa incapacidade de ser magnificamente bem sucedidos em qualquer empreendimento da vida é de facto uma característica da qual não vos podeis livrar.

Escutai e prestai atenção!
Há em vós uma incapacidade crónica de fazer algo de glorioso, de fazer algo brilhante, algo absolutamente notável. Por muito que vos esforceis, por muito que tenteis, nunca ireis brilhar como brilham os grandes, nunca sereis admirados como os poderosos, nunca sereis aplaudidos nas praças e nas ruas.
Não vos venho adular com falsas cortesias nem com palavras agradáveis ao vosso ouvido. Nada disso! Venho dizer-vos com toda a verdade: estais condenados a uma vida regular, a uma vida vulgar, a uma vida terrivelmente normal. Nunca sereis famosos e nada alcançareis de glorioso.

Mas não vos ireis contra mim, sou apenas um mensageiro! Não demonstreis mais uma vez, com essa vossa reacção, a tradicional banalidade a que nos tendes habituado. Não me fazeis assim ver novamente como nada sois de especial?
Tende paciência e aguardai.
Porventura sabeis as razões que movimentam o mundo? Porventura conheceis os recantos mais profundos do vosso ser?
Porventura podeis garantir que uma existência tão comum não tem riquezas desconhecidas?
inesperado.org_prestai atenção!
Escutai as minhas palavras e segui o meu conselho!
Não ambicioneis a vida dos grandes e magníficos. Não invejeis as taças de prata de onde bebem os seus vinhos. Não desejeis os cordeiros gordos com que se saciam. Não cobiceis o seu poder e o seu sucesso. Não granjeeis os aplausos que eles recolhem.

Acaso conseguis sondar os seus corações? Sabeis o que eles sentem quando se fecham as cortinas? Sabeis os fardos que carregam em segredo?

Não queirais ser como os inteligentes. Trazem consigo o peso da vaidade e a solidão de serem incompreendidos.
Não queirais ser como os poderosos. Vivem aterrorizados de perderem os seus domínios e a sua autoridade.
Não queirais ser como os belos. Caminham assustados pois a sua aparência está destinada a ser passageira.

Alegrai-vos antes pela vossa vida normal e pelas vossas capacidades perfeitamente medianas.
A vossa incapacidade é uma benção. A vossa vulgaridade é um privilégio. A vossa normalidade é um dom.
Esquecei o que se diz de vós. A vossa vida comum não é uma vida inferior!

Aprendei a apreciar uma vida simples. A desfrutar de uma existência serena e sem ambições.
Tereis sempre a força que necessitais para enfrentardes as dificuldades, e as capacidades para fazer um trabalho honesto. Cuidai daqueles que vos são confiados e vivei com alegria e gratidão.

Vereis então que no meio da normalidade da vossa vida revelar-se-á tudo o que é verdadeiro, tudo o que é grande, tudo o que é belo.

15 Respostas to “Prestai atenção seus medíocres!”

  1. Jeremias Banzé, um soldado amigável 15 de Maio de 2014 às 22:48 #

    Podeis então explicar a parte do viver sem ambição? Como fazer tal coisa se isso é estar morto vivendo?
    Quero ser normal, mas quero ambicionar também. Quero acordar e sentir espanto, entusiasmo, esperança! Ajudai-me oh Inesperado! Por favor.

    • Inesperado.org 19 de Maio de 2014 às 19:06 #

      Jeremias Jeremias!
      Será possível conciliar ambição com humildade?
      Sim tem que ser! Como, mas como?
      Boa pergunta…

  2. Anónimo 15 de Maio de 2014 às 12:24 #

    “Conversas inacabadas com Alberto Caeiro” – José Flórido. Vale a pena ;)

  3. Anónimo 13 de Maio de 2014 às 22:55 #

    existe espaço para todos. nao penso que denegrir os demais para salientar os mediocres seja o caminho certo. mas o texto esta escrito por um medíocre com certeza.

  4. Smile 13 de Maio de 2014 às 17:32 #

    Gostei muito… Entristece-me sim ler algumas opiniões que não compreenderam a mensagem… Mas vivemos em liberdade e tal como à pouco tempo também inesperadamente aqui falámos, todos pensamos diferente… Claro que às vezes seria melhor PENSARMOS UM POUCO PRIMEIRO… Continuem a surpreender-nos inesperadamente!

  5. S 13 de Maio de 2014 às 10:49 #

    É pena que a maioria das pessoas que aqui comentaram não perceberam a ironia da palavra “mediocre”. Um bom texto para meditar e olhar os lirios do campo… de uma forma consciente e serena sem olhar para o lado, por cima do ombro ou para a vida deslumbrante dos outros. (a palavra deslumbrante aqui foi utilizada de uma forma irónica. Desculpem-me alguns de vós esta explicação óbvia)

    • Sepúlveda da Fonseca - MPP 13 de Maio de 2014 às 16:49 #

      Apoiado “S”. Parece-me que estão todos a dizer o mesmo, à excepção de alguns comentários da Ana Costa que, pelos vistos, anseia desesperadamente ser famosa. A verdade, a meu ver, é que a grandeza de todos os famosos de monta – Teresa de Cálcuta, Ghandi e sobretudo CRISTO – foi saberem ser pequeninos. É extraordinário que as pessoas confundam fama com grandeza. Quanto aos portuguêses serem medíocres, T.Jones, peço desculpa mas, convivi com gentes de inúmeros países e posso garantir-lhe que, tomara metade da população mundial ter a pequenez dos portugueses. A dimensão humana dos portugueses não é comparável à maioria dos povos. Viva Portugal e os portugueses e viva quem saber ser Grande sendo pequenino.

  6. leda 13 de Maio de 2014 às 10:47 #

    Epá! O texto escrito na segunda pessoal do plural foi mesmo cansativo de ler… pergunto-me se não estamos a perder o uso disso…. eheheh

  7. Gujanda 13 de Maio de 2014 às 9:54 #

    “Aprendei a apreciar uma vida simples.(…)
    Cuidai daqueles que vos são confiados e vivei com alegria e gratidão.(…)
    Vereis então que no meio da normalidade da vossa vida revelar-se-á tudo o que é verdadeiro, tudo o que é grande, tudo o que é belo.”

    Intenso e profundo. Queremos conhecer o mundo sem nos conhecermos… Queremos conquistar o mundo sem nos conquistarmos a nós próprios primeiro. Queremos tudo o que os outros têm sem vermos, com olhos de ver, o que temos. A comparação rouba-nos a alegria da vida e torna-nos medíocres no meio de tanta grandeza.
    Gostei muito. Uma boa semana para vocês.

  8. rcmatos 13 de Maio de 2014 às 9:02 #

    “Aprendei a apreciar uma vida simples. A desfrutar de uma existência serena e sem ambições. Tereis sempre a força que necessitais para enfrentardes as dificuldades, e as capacidades para fazer um trabalho honesto. Cuidai daqueles que vos são confiados e vivei com alegria e gratidão.” É uma graça saber se ser pequeno. E com esta atitude fazer coisas maravilhosas…

    Afinal ” o essencial é invisível aos olhos”, e a procura do essencial sem dúvida que está no nosso dia a dia. Apenas não concordo que seja medíocre a palavra certa, pois eu acho que a vida banal de cada um pode ser maravilhosa! Mas percebo que o objectivo fosse a “terapia de choque” e nesse sentido gostei do texto.

  9. Ana Costa 13 de Maio de 2014 às 7:00 #

    Mesmo que não me considere a última coca-cola fresca no deserto, esta perspectiva de viver uma vidinha sem interesse com contentamento cheio de bolor irrita-me profundamente.

    A mediocridade não está em ter capacidades dentro do normal ou não ter grande riqueza material para mostrar.

    Gente com capacidades normais pode levar uma vida cheia de interesse. Pode levantar-se de salto de manhã para fazer algo que enche o peito de entusiasmo.

    Treta este texto, enorme treta.

  10. Alberto Santos Silva 13 de Maio de 2014 às 2:54 #

    Este foi INESPERADO. Estilo Hitchcok. Gostei!

  11. T.Jones (@scoutzknight) 13 de Maio de 2014 às 0:18 #

    Se me permite o comentário. Este texto é nada mais nada menos que uma GRANDE desculpa de um medíocre (alias como é a grande parte dos portugueses) sem paixão de seguir aquilo em que acredita, sem paixão em querer mudar o mundo, apenas e mediocremente mais um português no seu desabafo diário.. e nada mais…

    • T.Jones (@scoutzknight) 13 de Maio de 2014 às 0:21 #

      …uma justificação de ser, de crescer e de morrer medíocre… Já agora mais uma coisa que queria reflectir.. não existem medíocres ou génios existem sim pessoas com e sem paixão…

    • Paulo 13 de Maio de 2014 às 9:31 #

      “Vereis então que no meio da normalidade da vossa vida revelar-se-á tudo o que é verdadeiro, tudo o que é grande, tudo o que é belo.”

      Não foi assim com Martin Luther King, com Madre Teresa de Calcutá, com Mahatma Gandhi ou Nelson Mandela (de certeza com muitos outros).

      Apesar de em parte concordar contigo T. Jones, acho que este texto fala em sermos fieis àquilo que somos. Em acreditar naquilo que podemos fazer, não por aquilo que vemos nos outros (pois seriamos bonecos de imitação), mas porque simplesmente acreditamos que é o nosso caminho. É escolher com sentido o caminho da nossa vida.

      Em relação ao tema de vivermos apaixonados já é uma outra estória.

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s