A álgebra e o amor

25 Set

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20

E assim aprendemos a contar. Com paciência, com repetição, com memória.

Será que como aprendemos a álgebra, também assim podemos aprender a amar?
Com paciência, com repetição? Com memória?

Pois sim.
Quem nos formou, construiu-nos num universo de paciência, numa multiplicação de generosidades. Toda essa atenção fabricou o nosso tecido interior.
E como essa atenção não basta, a repetição reforçou em nós a aprendizagem do amor. “Gosto muito de ti”. Beijinhos, milhares deles, a propósito e a despropósito. E de novo a propósito. E mais beijinhos. Já te disse? “Gosto muito de ti”.
Esta experiência tão extraordinária quanto comum ,torna-se uma memória. Um lugar ao qual voltamos sem grande esforço, uma lembrança interna, uma casa que não tem preço.

Aprendemos por isso a amar. Porque antes, aconteceu connosco.

Mas para os olhos mais atentos, a contagem no início deste texto falha um numero. O 16.
Um pouco depois do meio do caminho, falha-nos alguma coisa. Se calhar não sabemos toda a álgebra. E se calhar também não sabemos todo o amor. Apesar do exercício horário, diário, mensal, de amar, há um momento que saltamos alguma coisa de importante. A paciência, a repetição e mesmo a memória não nos bastam para saber o caminho todo. Há sempre alguma coisa que nos escapa.
E a aprendizagem do amor está também aí: falhamos ao amor quando o já sabemos de cor.

Por isso, é necessária uma revolução. Um movimento de vida que preencha as lacunas do que temos e do que damos. É necessário tornar o amor um caminho primário, tão fundamental quanto o foi na génese da nossa vida. É necessário voltar a aprender a amar. Com tudo o que fomos. Com tudo o que somos.

E o bom do amor é que nesse mercado – que foge tanto aos mercados e à álgebra –  não há falta de trabalho nem emprego:
Há ruas por amar, amigos por amar, inimigos por amar.
Há árvores por amar, amarelos por amar, sons por amar.
Há músicas por amar, livros por amar, viagens por amar.
Há saúde e há doença por amar.
Há empresas por amar, cidades por amar, países inteiros por amar.
Há um mar por amar.

E assim sim, vamos aprender a amar.

10 Respostas to “A álgebra e o amor”

  1. Cátia 6 de Dezembro de 2013 às 17:05 #

    “Falhamos ao amor quando o já sabemos de cor.” No fundo, numa relação, nunca devemos parar de trabalhar e lutar por ela. Quando se entra na rotina vem o desleixo seguido do acomodar, e por fim o desencanto. Não sei se era aqui que pretendia chegar, mas este texto fez-me lembrar este encadeamento (infeliz) de acções.

    Ps. Excelente post e blog (venho tarde mas ainda a tempo espero)

  2. Mariana 22 de Novembro de 2013 às 19:46 #

    …é que cada vez acho mais que quanto mais simples, melhor! tal como a “máxima” – “less is more”.
    espero sinceramente que venha aqui muita gente pois só têm a ganhar!
    keep it going, se possível “forever”…:-)

  3. Pureza Leitão 27 de Setembro de 2012 às 11:00 #

    Falaram-me deste blog dizendo que valia muito a pena ler.
    Normalmente não fico muito bem impressionada quando tenho sugestoes deste genero.. desta vez superou as minhas expectativas.
    Marivilhoso.
    Gosto muito do “outside of the box” thinking que é representado pelo que escreves.
    Não te conheço, nem tu a mim, mas parabéns e obrigada por tornares público o teu talento.
    Btw… também tenho um blog. Diferente, mas a meu ver, também interessante de alguma maneira.
    Aqui está um dos meus textos preferidos caso tenhas curiosidade em ver.
    http://purezaleitao.blogspot.pt/2012/05/coracao-temos-de-falar.html
    Obrigada!

    • Inesperado.org 2 de Outubro de 2012 às 10:11 #

      Olá Pureza!
      Obrigado pelo teu comentário :)
      Parabéns pelos teus textos e por teres um blog!
      Já houve partes que me fizeram rir:
      “Não deve bater bem da cabeça.”
      Não.
      Não bato.”

      Continua a aparecer!

  4. Ctrl-Alt-Stay 26 de Setembro de 2012 às 10:51 #

    You’ve got it all…

  5. Iria Da Ponte Zeferino 25 de Setembro de 2012 às 8:58 #

    Está brilhante! Obrigada e Parabéns!

  6. lili 25 de Setembro de 2012 às 2:11 #

    Obrigada!
    Pela partilha, pelo relembrar…
    amar tem muito que se lhe diga, tem algo inaplicável que só se sabe vivenciando
    então agradeço por me levares a recordar o amor com o teu texto

Comenta aqui

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s